Lançamento do livro: Amor Entre Guerras

Marianne Nishihata

Sessão de autógrafos em São Paulo acontece no dia 14 de dezembro

O livro Amor Entre Guerras é um romance baseado em fatos reais e conta a história de amor entre uma carioca e um japonês durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Alberto Tomiyo Yamada era farmacêutico e Ilma Faria, ainda era estudante quando se conheceram. Da primeira troca de olhares numa estação de trem, mal sabiam eles que ali mesmo nascia um amor que seria colocado à prova por preconceitos, distância e pela convocação de Yamada para a guerra.

Leia a entrevista com a autora Marianne Nishihata a seguir

A história da guerra

O romance tem como pano de fundo o momento da entrada do Brasil na guerra. Na época, o Brasil havia declarado apoio aos Aliados, enviando suporte da Força Expedicionária Brasileira (FEB) à Campanha da Itália.

Com a convocação dos soldados brasileiros, a participação dos descendentes de japoneses foi inevitável e pouco mais de 40 soldados nipo-brasileiros tiveram que defender a bandeira verde e amarela. Contudo, naquele momento, esssa participação significava colocar-se contra o Japão, que fazia parte do Eixo.

Leia mais na reportagem Heróis Nikkeis
*Spoiler alert! ;)

A história de amor

Tomiyo nasceu no Japão e chegou em Mogi das Cruzes (SP) ainda bebê, em 1921. Ele namorava a carioca Ilma Faria, que morava em Mogi porque o pai tinha sido transferido para lá. A família de Yamada não aceitava o namoro dos dois, mas mesmo assim, continuaram juntos.

Com a declaração do apoio brasileiro à Aliança, Yamada foi convocado para a guerra, e disse à sua amada: “prefiro morrer na guerra a não ficar com você”. Mesmo à distância, o casal mantinha contato por meio de cartas, mas depois de cinco meses sem notícias, Yamada foi dado como morto. Sua missa foi rezada, porém Ilma se negava a aceitar a notícia.

Toda a história acabou se tornando enredo para “Amor Entre Guerras”, que tem versão digital e impressa e já pode ser adquirido nas livrarias brasileiras. O lançamento oficial aconteceu no dia 7 de dezembro, na Livraria Saraiva do Mogi Shopping e está marcado para o dia 14 de dezembro na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi.


Entrevista com a autora

nishihataDepois de 14 anos de pesquisas, a jornalista Marianne Nishihata lança seu primeiro livro pela Editora Planeta do Brasil.

Com uma narrativa fluida e romântica, Nishihata traz detalhes de uma história de amor e superação que encanta pela riqueza de informações, todas coletadas por meio de entrevistas, pesquisas em livros de história e até mesmo cartas trocadas entre o casal protagonista, que são reproduzidas no livro.

Nishihata conheceu a história do casal durante o desenvolvimento de seu trabalho de conclusão de curso da faculdade, em 2001. Seu projeto era a produção de um livro-reportagem centrado nos nikkeis que lutaram na Segunda Guerra Mundial. Depois disso, a história virou capa da edição #59 da revista Made in Japan (acesse pelo link). “Foi a primeira capa da Made in Japan que escrevi”, lembra a jornalista, que foi chefe de redação da sucursal da Made in Japan em Tóquio e hoje é gerente de produto digital na Editora Abril.

  • Foram 14 anos de pesquisas e estudos. Em que momento você decidiu transformar a pesquisa em um livro?
  • Desde que escrevi o livro-reportagem “Entre a Farda e a Bandeira” como projeto de TCC na Universidade de Mogi das Cruzes, em 2001, eu já queria escrever um livro para ser publicado. Foi um projeto, praticamente um sonho, que tive por todos esses anos, mas nunca conseguia efetivamente colocá-lo em prática. Foi durante a Copa do Mundo do ano passado que a Márcia Pereira me disse que o tema era interessante e que ela iria falar com a editora Planeta, onde trabalha. No começo, pensei que não iam achar bacana e que morreria ali. Me surpreendi e fiquei extremamente feliz quando soube que tinham gostado e que, sim, gostaria de publicar a história. A Márcia foi quem apostou que daria certo, antes mesmo de eu acreditar nisso.

  • Você teve acesso às cartas originais e a depoimentos muito pessoais. Como foi seu primeiro contato com a Ilma e como foi construída a sua amizade com ela?
  • Conheci a dona Ilma porque o primeiro pracinha descendente de japoneses que entrevistei foi o Satsuki Nakasone, que também é de Mogi das Cruzes. Ele me disse que um dos companheiros que lutou na guerra com ele também era de Mogi e se chamava Alberto Tomiyo Yamada. A partir daí, descobri que Yamada era tio de uma amiga de minha mãe, que me passou os contatos da dona Ilma. Tive uma afinidade à primeira vista com ela, sempre atenciosa e disposta a conversar comigo. Quando percebi, já conversávamos como se fôssemos amigas de longa data. Ela era aquela pessoa que segura na sua mão e olha nos seus olhos para conversar, tinha um coração enorme.

  • Ao ler o livro, me perguntava sobre o que poderia ser verídico e o que era ficção. Como foi esse processo de escolha dos detalhes e da inserção de elementos fictícios à história?
  • Primeiro listei e escrevi tudo o que era verídico. Decupei novamente todas as dezenas de fitas com entrevista que eu tinha feito nos últimos 14 anos. Li muitos livros sobre Segunda Guerra e sobre como era o Brasil naquela época. Pesquisei sobre os filmes e lugares que dona Ilma me disse que tinha assistido ou visitado. Depois, no momento de costurar todas as informações, incluía o que seria ficção, sempre muito preocupada em não desvirtuar o que era de fato verdadeiro.

    Lançamento do livro Amor Entre Guerras

    Quando: 14 de dezembro de 2015
    Horário: a partir das 18h30
    Onde: Livraria Cultura do Shopping Iguatemi
    Endereço: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2232 – Jardim Europa, São Paulo – SP

    Você pode se interessar também por...