Relançamento do livro “O Cérebro Japonês”

São Paulo – 12 de abril de 2018

A Academia Paulista de Letras (APL) promove o relançamento do livro “O Cérebro Japonês”, do médico neurocirurgião Raul Marino Jr. no dia 14 de abril de 2018, no Auditório Altino Arantes da sede da APL com uma programação cultural que inclui apresentação de dança tradicional japonesa de espadas (kembu) e leques (shibu), apresentação de shodô com a professora Kazuyo Morishita e sessão de autógrafos com o autor.

O lançamento do livro “O Cérebro Japonês”, no final da década de 1980, foi um sucesso editorial do lendário Massao Ohno e da conceituada Aliança Cultural Brasil-Japão, com a edição de 3.000 exemplares, esgotada em poucos dias. A obra permaneceu como item de colecionador por um longo tempo.

Esta nova edição da Telucazu Edições, publicada no ano da celebração dos 110 anos da Imigração Japonesa no Brasil, traz de volta esse livro bilíngue que faz parte da história, não apenas sobre o tema que aborda, mas principalmente da amizade entre dois povos, expressa na profunda admiração de seu ator, Dr. Raul Marino Jr., pela cultura japonesa. Mais do que um tratado sobre o cérebro, este é um livro para ser lido também com o coração.

A apresentação e organização desta nova edição foi feita pelo historiador Hidemitsu Miyamura, membro da Academia Nipo-Brasileira de Escritores. “É uma obra que ficou muito tempo esgotada e sempre foi muito procurada”, ressaltou, “e finalmente conseguimos trazê-la de volta com uma edição revisada e que inclui uma entrevista exclusiva com o autor”.

Sobre o livro “O Cérebro Japonês”

Contracapa do livro com texto em japonês

O cérebro japonês — A importância da língua japonesa (Telucazu Edições) resulta do profundo conhecimento do autor sobre a cultura, idioma, costumes, filosofia e história do Japão, que visita com frequência, para proferir palestras e participar de congressos.

Raul Marino Jr., doutor pela Universidade de São Paulo (USP) e introdutor no Brasil da Neurocirurgia Funcional, explica que é no lado direito do cérebro que são mais reconhecidos o desenho, a música, os poemas e a religião, assim como os caracteres do kanji, que são uma especial forma artística.

O alfabeto convencional do Ocidente e os outros dois sistemas de escrita do Japão (hiragana e katakana) são mais reconhecidos pelo lado esquerdo. Por isso, se um japonês perder as funções de uma das duas partes do cérebro, devido a um derrame, meningite ou qualquer outra causa, continuará comunicando-se por meio da parte preservada. Este é um diferencial significativo em relação aos ocidentais, que utilizam menos o lado direito.

Relançamento do livro “O Cérebro Japonês”

Quando: 12 de abril de 2018
Horário: 18h
Onde: Academia Paulista de Letras – APL (Auditório Altino Arantes)
Endereço: Largo do Arouche, 312, Centro. São Paulo-SP
E-mail: recepcao_apl@academiapaulistadeletras.org.br
Mais informações: www.academiapaulistadeletras.org.br/agenda.asp