Shodô, a arte da caligrafia

O shodô é a arte da caligrafia japonesa que reproduz o caminho da tinta sobre o papel japonês (washi). As cerdas do pincel desenham traços e pontos em diferentes densidades, de acordo com a força aplicada pelas mãos do artista.

A escrita elevada à arte retrata dos ideogramas japoneses que devem ser desenhados em pinceladas únicas, que não são passíveis de retoques, e seguindo uma ordem e direcionamento específicos. “Quando se escreve em ordem errada, a letra acaba ficando errada e pode até se transformar em outro kanji (ideograma). A ordem da escrita faz toda a diferença”, explica Cristina Sagara.

Existem diversos estilos de kanji que variam com nuances mais cursivas. São eles:  tensho, que é o mais antigo (221 a.C), reisho (202 a.C a 220 a.C), kaisho (século 3), gyousho (escrita semicursiva, desenvolvida a partir do século 3) e shousho (escrita cursiva, com aparição no século 2 a.C).

A arte de escrever bem com o pincel é denominada shuji e faz parte da grade curricular do sistema educacional japonês. “O shodô entra no lado mais artístico da caligrafia”, explica Sagara. A simplicidade dessa arte também se reflete nos materiais necessários: tinta, paleta, pincel e papel.

A tinta, ou sumi, é feita à base de uma goma preparada com fuligem de carvão. Ela é vendida na forma de bastão e é preciso prepará-la com água sobre a paleta, conhecida como suzuri, até alcançar a cor e a consistência desejada. O manuseio do pincel sobre o papel deve ser exato e firme, para que se mantenha o controle da intensidade da cor em traços únicos.

“Não se busca a perfeição nessa arte, mas sim o aspecto zen, o espírito humano. Não se corrige uma arte de shodô porque ela representa a condição de espírito que foi responsável pelo traço criado pelo artista, naquele momento.” define Michelle Takashima Walter em seu estudo “Dos ideogramas nipônicos aos poemas ideogrâmicos”.

Clique em uma das imagens abaixo para visualizar a galeria

Fotos: Rafael Salvador/ JBC