O que são os 120 anos de amizade entre o Brasil e o Japão?

“Na minha opinião pessoal, os brasileiros poderiam observar que o povo japonês tem uma maneira diferente de contribuir para melhorar a sociedade, por exemplo, agir pensando nos outros e cuidar bem o que é de todos. Por outro lado, nós temos muito a aprender com o carinho ao próximo que o brasileiro tem.”
A cônsul Michiko Shibata, do Consulado Geral do Japão no Rio de Janeiro, está no Brasil desde 2009.

A cônsul Michiko Shibata, do Consulado Geral do Japão no Rio de Janeiro, está no Brasil desde 2009.

No dia 5 de novembro de 1895, foi assinado o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação (leia a história completa) entre o Brasil e o Japão para estreitar os laços entre os países. Depois de 120 anos, qual foi o aprendizado deste relacionamento entre países tão distantes? Para falar sobre o assunto, a Made in Japan entrevistou a cônsul Michiko Shibata, do Consulado Geral do Japão no Rio de Janeiro.

O que os 120 anos de Amizade entre Brasil e Japão representam para a sociedade brasileira de hoje?

Apesar da comunidade nikkei representar menos de 1% da população brasileira e dos dois países serem distanciados geograficamente, o intercâmbio em diversas áreas entre nós tem fortalecido cada vez mais a relação bilateral Brasil-Japão. Espero que esta comemoração de 120 anos seja uma oportunidade para a sociedade brasileira ter contato com a nossa amizade que dura mais de um século.

Ao longo desses 120 anos, o processo migratório entre os dois países passou por fluxos contrários de idas e vindas. De maneira geral, o que os brasileiros puderam (e ainda podem) aprender com os japoneses e o que os japoneses puderam aprender com os brasileiros?

Na minha opinião pessoal, os brasileiros poderiam observar que o povo japonês tem uma maneira diferente de contribuir para melhorar a sociedade, por exemplo, agir pensando nos outros e cuidar bem o que é de todos. O episódio de torcedores japoneses terem recolhido lixo nos estádios de futebol após o jogo do Japão durante a Copa seria um exemplo disso. Por outro lado, nós temos muito a aprender com o carinho aos outros que os brasileiros têm: cumprimentar os vizinhos, ser carinhoso com as pessoas com crianças de colo, oferecer lugar aos idosos no transporte público etc. São as características que, hoje em dia, os japoneses às vezes esquecem no meio de uma rotina corrida.

Em que medida as comemorações servirão para estreitar, de maneira concreta, as relações entre os dois países? Quais são os projetos que você considera mais significativos?

As comemorações trazem vários aspectos da cultura japonesa ao Brasil e fazem com que os brasileiros possam acessar a cultura além de comida japonesa. Através de músicas, danças, cultura pop e exposições, espero que as pessoas se sintam mais próximas ao Japão, conhecendo um pouco mais sobre o nosso país. Falando nas comemorações no Rio de Janeiro, o evento com o maior destaque será o Concerto de Amizade Brasil – Japão, no Theatro Municipal. Através das duas apresentações nos dias 31 de julho e 2 de agosto, a maestrina japonesa Tomomi Nishimoto, junto com os dois tocadores de tambor japonês (taiko) e a Orquestra do Theatro Municipal, apresentará uma sinfônica composta para ser tocada com a orquestra e tambor japonês. Este concerto será uma rara oportunidade que poderemos mostrar a harmonia entre a cultura japonesa e a orquestra do renomado Theatro Municipal.

Consulte a Agenda Made in Japan para conferir mais eventos da cultura japonesa

Qual a sua opinião sobre o assunto? Comente conosco.

Você pode se interessar também por...