Exposição retrata inovações de linguagem e abstração

Tomie Ohtake, óleo sobre tela 1987
Tomie Ohtake, óleo sobre tela 1987

Desde o dia 12 de novembro, a Galeria Simões de Assis abre as portas para a mostra Densidade e Superfície com 35 obras de Arcangelo Ianelli, Eduardo Sued, Tomie Ohtake e Abraham Palatnik, selecionadas pelo curador Marcus Lontra. As obras têm como características as inovações de linguagem, a abstração, e o estudo das cores e da geometria.

O ponto de partida da mostra é a relação entre a superfície concreta das telas e a densidade de emoções e sensações que provocam no observador. Dialogando com o modernismo brasileiro, os trabalhos são marcados por uma complexidade poética que exige a imersão do espectador, subvertendo o imediatismo que hoje banaliza grande parte das relações cotidianas. “O conjunto de obras traduz a especificidade do olhar, a inteligência e a sensibilidade brasileira”, diz Lontra.

Tomie Ohtake, que celebra 100 anos de vida no dia 21 de novembro, é um dos destaques de Densidade e Superfície. Para a exposição, produziu duas obras inéditas, que serão apresentadas ao lados de obras dos anos 60, 70, 80 e 90. A artista nascida no Japão, naturalizada brasileira, é considerada uma das maiores representantes da pintura no Brasil, onde vive há 77 anos.

Tomie Ohtake, acrílico sobre tela 2013
Tomie Ohtake, acrílico sobre tela 2013

De acordo com Lontra, em suas séries mais recentes, Tomie investiga os efeitos plásticos e sensoriais provocados pela justaposição e sobreposição de inúmeras manchas de tinta – numa estratégia visual que remete, em parte, às obras impressionistas e pontilhistas.

As pinturas do paulistano Arcangelo Ianelli (1922 – 2009), por sua vez, exploram o abstracionismo geométrico através da cor e forma. Eduardo Sued é o grande desinibidor das linguagens abstratas, de origem construtiva, na pintura moderna brasileira. As obras do carioca, nascido em 1925, se contaminam por formas, contrastes, texturas, ironias e assumidas contradições trazidas não apenas da história da arte europeia, mas também de sutis elementos oriundos do universo kitsch e pop nacional.

A mostra traz ainda as obras de Abraham Palatnik, filho de judeus russos, nascido em 1928 em Natal, Rio Grande do Norte. Viveu na região onde se fundou o Estado de Israel, onde estudou artes e hoje é considerado o precursor da arte cinética no Brasil. Seja com ripas de madeira ou cartão fixados num suporte rígido, Palatnik constrói obras instigantes que, ora revelam um intenso cromatismo, ora reestruturam e redefinem o espaço de ação da arte, instigando a autonomia imaginativa do observador.

Densidade e Superfície
Curadoria:
Marcus Lontra
Artistas: Arcangelo Ianelli, Eduardo Sued, Tomie Ohtake e Abraham Palatnik
Onde: Simões de Assis Galeria de Arte – Alameda Dom Pedro II, 155, Batel – tel 41- 3232-2315
Quando: 12 de novembro a 15 de dezembro de 2013
De segunda à sexta das 09h30 às 19h. Aos sábados das 10h às 18h

*Com informações da assessoria de imprensa