O guia de viagem de Alexandre Herchcovitch


“Amo o Japão, e Tóquio em especial”

O estilista Alexandre Herchcovitch já comemora 20 anos de carreira e todas as suas andanças mundo a fora lhe renderam uma bagagem e repertório digno de um livro. Por isso, “O Guia de Viagem de Alexandre Herchcovitch – Nova York, Londres, Paris e Tóquio” acaba de ser lançado pela editora Pulp, como continuação da coleção Personalidades (que já tem o guia “Miami”, com Romero Britto e “Minha Nova York”, com Didi Wagner). Apesar de conhecer bem as capitais, o autor visitou novamente cada uma delas para rever os locais e produzir mais fotos dos lugares escolhidos.

A proposta do livro de Herchcovitch é mostrar uma capital que não está nos guias de viagens convencionais. “Tóquio eu conheço relativamente bem porque eu já fui várias vezes e sinto que eu já consigo dar dicas pras pessoas. E como eu sou um apaixonado pela cultura japonesa, pela cidade, pelo país, eu me sinto à vontade pra escrever sobre Tóquio”, revela o estilista.

Herchvovitch tem uma carreira marcada pelas grandes coleções que já rodaram passarelas do mundo todo. No Japão, tem a sua única loja própria, que está localizada no bairro de Shibuya, em Tóquio e lá, apresenta um conceito inovador de suas peças.

As suas coleção têm grande repercussão na moda japonesa e esse reconhecimento é mútuo “Os japoneses têm uma liberdade muito grande na maneira que se vestem. A relação deles com a roupa, tanto homens quanto mulheres, a ausência de preconceitos na hora de se vestir é muito importante. É um dado fundamental para aprender com a maneira que os japoneses se vestem”, conta.

Alexandre Herchcovitch é bastante Alexandre Herchcovitch é bastante No capítulo sobre Tóquio, o autor mostra que as doze vezes que já foi para lá, não foram em vão. Diferentes cantos da cidade e aspectos culturais são observados atentamente. Uma dica que parece óbvia mas ilustra bem o papel em que o leitor se colocará como turista, é a premissa “Em Roma, faça como os romanos. […] No Japão, seja japonês”.

“Eu acho que, em geral, como é um mundo diferente do meu, do Brasil, coisas muito simples do dia-a-dia são muito diferentes pra mim, então, o fato de você ir para um lugar onde você não consegue entender nada, que a escrita e a fala são diferentes, a comida, os costumes… como é tudo muito oposto do que acontece aqui, isso já é um grande atrativo pra mim e por isso me apaixonei pela cultura japonesa”, analisa Herchcovitch.

Ele abre o capítulo contando: “Amo o Japão, e Tóquio em especial. É uma cidade vibrante, cheia de novidades, de informação e, principalmente, de gente. Mas, ao mesmo tempo, guarda valores básicos como limpeza, organização, respeito aos outros, ao design e às tradições. A civilidade das pessoas até hoje me impressiona e chega a ser quase o oposto de nossa realidade”.

O texto é escrito em primeira pessoa e as fotos também são de autoria própria, o que imprime o tom de pessoalidade do livro com recomendações de onde passear, onde comer, onde encontrar roupas e brechós, algumas palavras básicas para quem vai pela primeira vez, e dicas de como se locomover pela metrópole.