Técnico de judô pede afastamento no Japão

O técnico da equipe feminina de judô, Ryuji Sonoda, 39, renunciou ao cargo após ser acusado de cometer punições severas, físicas e verbais, contra atletas. Com a repercussão negativa, o técnico decidiu pelo afastamento e pediu desculpas, em coletiva de imprensa, no dia 31 de janeiro.

As primeiras denúncias foram feitas logo após as Olimpíadas de Londres, em setembro de 2012. Na época, o técnico recebeu uma carta de advertência, pediu desculpas a uma das atletas, mas manteve o cargo na equipe.

Em dezembro do ano passado, 15 atletas encaminharam uma nova denúncia por escrito ao Comitê Olímpico Japonês (JOC), detalhando cinco episódios, entre agosto de 2010 e fevereiro de 2012, em que o técnico agiu com violência, chegando a usar uma espada de bambu (shinai, usada na prática de kendô) como punição em treinamentos. No dia 30 de janeiro, o caso foi reconhecido publicamente pelo Comitê Olímpico.

O técnico estava cotado para preparar a equipe até as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, mas declarou que seria difícil dar continuidade aos treinamentos após o escândalo. De acordo com a Kyodo News, Sonoda deve apresentar oficialmente a renúncia à Federação Japonesa de Judô (All Japan Judo Federation) no dia 1º de fevereiro.