Após terremoto, desemprego afeta o Japão

Como consequência do terremoto seguido de tsunami que atingiu o nordeste do Japão em 11 de março, o desemprego também é motivo de preocupação no país, sobretudo nas regiões mais afetadas pela crise.

Segundo o jornal Yomiuri, cerca de 100 pessoas estavam na porta da agência de empregos Hello Work da cidade de Ishinomaki, em Miyagi, no horário de início do expediente. “Estou pensando em concorrer a uma vaga em um trabalho temporário relacionado à reconstrução depois do terremoto, como remoção de entulhos”, disse Yoshiyuki Komatsu, 29 anos, ao Yomiuri.

Muitas pessoas perderam o emprego em razão dos severos danos ou mesmo destruição de seus locais de trabalho. Nas províncias de Iwate, Miyagi e Fukushima, um total de 40.215 pessoas solicitaram auxílio-desemprego ao governo, número 2,5 vezes maior que o registrado em 2010.

Locais distantes das áreas mais atingidas também sofrem as consequências da crise. Trabalhadores temporários não têm conseguido a renovação ou extensão de seus contratos, e o setor de lazer sofreu grande diminuição no movimento. A falta de componentes nas fábricas também atrapalha a cadeia produtiva nacional, o que faz com que as fábricas operem com capacidade reduzida.