Mais da metade dos eleitos são contra revisão de constituição pacífica

Mais da metade dos vencedores das eleições de domingo para a Câmara Alta são contra a revisão do artigo 9, que restringe o uso da força armada pelo Japão, apontou uma pesquisa da agência de notícias Kyodo.

O levantamento foi realizado antes das eleições. Dos 121 eleitos para a Câmara dos Conselheiros, 55,7% disseram ser contrários à revisão do artigo 9. O número é mais acentuado entre os senadores oposicionistas do Partido Democrata do Japão, com 68,5 opiniões contrárias.

Por outro lado, dos eleitos pelo governista Partido Liberal Democrata, 68,8% apoiam totalmente ou parcialmente a mudança na legislação pacifista.

O artigo 9, assinado em 1947, renuncia “a ameaça ou o uso da força como arma para disputas internacionais” e estipula que o exército, a marinha e aeronáutica “nunca serão mantidas”.

No cargo desde setembro de 2006, o primeiro-ministro Shinzo Abe adotou a revisão da constituição como uma das plataformas de governo. Em dezembro, a Agência de Defesa do Japão ganhou poderes de ministério.