China retomará importação de arroz japonês

Japão e China concordaram em retomar o comércio de arroz que estavam paralisadas desde 2003. Naquela ocasião, a China baniu a importação de arroz alegando ter encontrado insetos nas sacas.

O ministro da Agricultura, Floresta e Pesca, Toshikatsu Matsuoka, disse que um acordo com o ministro chinês determinou o aumento da supervisão de qualidade e a retomada das importações. “As negociações foram duras, mas nós fomos capazes de resolver a questão”, disse Matsuoka, após o encontro com Li Changjiang, diretor da Administração Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena.

O ministro, porém, descartou que isso seja um prenúncio para um possível acordo bilateral e exaltou o lado científico da questão. “É verdade que o comércio entre os dois países tem as relações de seus líderes como pano de fundo”, disse Matsuoka, fazendo referências ao pedido de negociação feito pelo primeiro-ministro Shinzo Abe para o premiê chinês Wen Jiabao durante um encontro nas Filipinas. “Mas a quesão da quarentena é científica. Acredito que isto foi resolvido como um problema científico”.

As relações entre a China e o Japão estavam deterioradas com o antecessor de Abe, o ex-premiê Junichiro Koizumi, que fez várias visitas ao templo Yasukuni – um memorial para as vítimas da guerra, na qual incluem criminosos julgados internacionalmente. Abe, ao contrário, tem procurado se aproximar do país vizinho.

Matsuoka disse que ainda não há uma data para o começo das importações, mas a expectativa é grande. “China é um mercado de 200 milhões de toneladas de arroz”, disse. “10% disso equivale a três vezes o mercado japonês”.

Redação Made in Japan Redação do site Made in Japan
Conteúdo Relacionado

Compre agora na Amazon

Seu Nome em Japonês

Cotações de Moedas

  • Dólar: R$ 4,9851
  • Euro: R$ 5,3979
  • Iene: R$ 0,0331
Fonte: BCB (23/02/2024)
Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para personalizar publicidade e produzir estatísticas de acesso de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.