Kodansha desiste de lançar livro polêmico sobre a princesa Masako

A editora japonesa Kodansha anunciou sexta-feira que não irá mais publicar uma biografia da princesa Masako escrita por um jornalista australiano, que motivou protestos no governo japonês.

A Kodansha publicaria o livro Princess Masako – Prisoner of the Chrysanthemum Throne (“Princesa Masako – Prisioneira do Trono do Crisântemo”), do jornalista australiano Ben Hills, em março. Porém, a editora alega que a obra tem muitas inconsistências e que o autor não se portou de forma correta.

“Nossa companhia não pode tolerar o tipo de atitude exibida por Hills sobre evidentes erros factuais no livro original”, disse a Kodansha em comunicado. “Nós chegamos à conclusão de que é impossível manter uma relação confiável com a editora original e com o autor e nós fomos obrigados a cancelar a publicação embora nós já tenhamos anunciado seu lançamento.”

A polêmica começou na terça-feira, quando o Ministério das Relações Exteriores exigiu que Hills e a editora Random House pedissem desculpas e fizessem correções na obra. Em uma nota enviada às duas partes, o Ministério diz que o livro contém “descrições desrespeitosas, distorção de fatos e críticas insistentes relacionadas ao nascimento da princesa Aiko e das condições físicas de sua Majestade a Princesa Masako”.

Apesar da obra ser polêmica, a Kodansha diz que já tinham uma versão rascunhada completa. “Com respeito aos pontos feitos pelo Ministério das Relações Exteriores e pela Agência da Casa Imperial sobre o livro, nós fizemos revisões e completamos o manuscrito”, diz a editora.