Um terço de vítimas de ijime se calam

Uma em três vítimas de ijime nas escolas, no ano passado, mantém o problema escondido, de acordo com a Agência Nacional de Polícia. Esse número é cinco vezes maior do que a pesquisa de 2001.

De acordo com a agência, houveram 165 casos relacionados ao ijime no ano passado. Esta quantidade é uma das maiores desde 2000, quando 170 pessoas disseram ter sofrido abusos escolares.

A agência também perguntou aos estudantes se eles procuraram ajuda. Aproximadamente 35% disseram que não falaram a ninguém sobre isso, um grande salto em relação a 2001, quando este número estava em 7%.

Além disso, quase 41% das crianças que sofreram ijime disseram que procuraram seus pais. Em 2001, esse número estava em 65%. Em compensação, houve um aumento entre os estudantes que procuraram ajuda da polícia. 13% dos jovens deram essa resposta, que é o dobro do número apontado em 2001.