Grávida recusada por 18 hospitais morre no parto

Uma grávida que perdeu a consciência durante o parto morreu após 18 hospitais se recusarem a atendê-la por lotação na província de Nara. Mika Takasaki, 32 anos, entrou em coma em 8 de agosto durante o parto em um hospital de Oyodo (Nara). O hospital pediu a vários outros hospitais para que a aceitasse porque ali não era possível lidar com a situação, mas o pedido foi recusado por 18 hospitais.

Seis horas depois do ocorrido, um hospital de Osaka a aceitou, onde ela passou por uma cirurgia de emergência por hemorragia no cérebro, além de uma cesariana. Seu filho nasceu com segurança, mas a mãe morreu em 16 de agosto se haver recuperado a consciência.

Seu marido, Shinsuke Takasaki, 24 anos, promoveu uma coletiva de imprensa nesta terça-feira para exigir uma melhora no sistema de transferência de mulheres grávidas. “Eu acho que as grávidas estão preocupadas sobre as insuficiências dos hospitais”, disse ele entre lágrimas. “Quero hospitais que garantam um parto seguro.”

De acordo com o governo de Nara, cerca de 30% das grávidas que precisam de tratamento de emergência são transferidas para fora da província.