Abe pretende buscar aproximação com China e Coréia do Sul

O novo primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse nesta segunda-feira que buscará relações mais próxima da China e da Coréia do Sul em meio a relatos de que ele visitaria em breve os dois países com o objetivo de refazer os abalados laços de Tokyo com Pequim e Seul.

“Tenho planos de desenvolver relações com vistas ao futuro com nossos importantes vizinhos, China e Coréia do Sul, por meio da construção da cooperação mútua através do diálogo e da cooperação em todos os níveis e áreas possíveis”, disse Abe ao Parlamento nesta segunda-feira.

De acordo com a imprensa japonesa, Abe deverá reunir-se em Pequim com o presidente e o primeiro-ministro da China, Hu Jintao e Wen Jiabao, respectivamente, em 8 de outubro. No dia seguinte, ele deverá visitar o presidente da Coréia do Sul, Roh Moo-hyun, em Seul. Numa conversa com jornalistas na noite de hoje, pelo horário local, Abe pediu à China que aceite a reunião sem a imposição de nenhuma condição prévia.

“É importante que os líderes participem de conversas francas sem a imposição de condições”, disse Abe ao Parlamento, numa aparente referência à recusa chinesa em aceitar contatos com seu antecessor, Junichiro Koizumi, por causa de visitas a um polêmica santuário onde são homenageados japoneses mortos em guerras, entre eles alguns condenados e executados por crimes de guerra praticados durante a colonização japonesa do leste da Ásia, na primeira metade do século passado.

Abe, que já visitou o santuário de guerra no passado, ainda não deixou claro se irá ao local na condição de primeiro-ministro. Pequim estaria buscando um compromisso de que Abe não visitaria o local para aceitar a realização de reuniões de cúpula. Sob condição de anonimato, uma diplomata na chancelaria chinesa comentou que a China ainda não dispõe de informações sobre a possível visita de Abe a Pequim.

Por sua vez, o chanceler sul-coreano Ban Ki-moon telefonou para seu colega japonês, Taro Aso, e os dois concordaram em cooperar para a realização de uma reunião de cúpula entre Abe e Roh, informou o Ministério das Relações Exteriores da Coréia do Sul.

Segundo a imprensa japonesa, o Japão apoiaria Ban em sua campanha para ser o novo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) se ele não for vetado por nenhum dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (CS) da entidade. Abe poderia declarar seu apoio à candidatura de Ban se houver uma reunião com Roh, informou a agência de notícias Kyodo. Abe foi eleito primeiro-ministro do Japão na semana passada e impôs a melhora das relações com a China e com a Coréia do Sul como uma das prioridades de seu governo.