Em 1º discurso, premiê japonês ressalta a revisão da Constituição

O novo primeiro-ministro do Japão, o conservador Shinzo Abe, 52, prometeu nesta sexta-feira acelerar o processo de revisão da Constituição pacifista do país em seu primeiro discurso no Parlamento, ao mesmo tempo que tentou tranqüilizar China e Coréia do Sul.

“Chegou o momento de nossa nação se encaminhar para uma diplomacia mais ativa, baseada em uma nova estratégia”, declarou Abe, o primeiro-ministro japonês mais jovem desde o fim da Segunda Guerra Mundial em 1945.

Na opinião de Abe, esse objetivo passa primeiro pela revisão da Constituição pacifista de 1947, considerada pela direita que govera o país um impedimento para que o Japão tenha um autêntico Exército, capaz de participar em operações de defesa coletiva, e uma barreira às ambições internacionais da nação.

“A atual Constituição foi promulgada em uma época na qual o Japão estava ocupado e desde aquele momento já se passaram mais de 60 anos”, disse. “Atualmente existem debates animados sobre uma Constituição que poderia se adaptar melhor à nova geração”, acrescentou Abe, que sucedeu nesta terça-feira Junichiro Koizumi.