Shinzo Abe quer se aproximar da China e da Coréia do Sul

O conservador premier do Japão, Shinzo Abe, está pronto para conversas sobre questões importantes com a China e a Coréia do Sul, segundo afirmou seu porta-voz nesta quarta-feira, no primeiro dia de Abe no poder. Enquanto isso, o otimismo em relação ao novo líder fez as ações subirem em Tokyo. Uma pesquisa indica que 65% dos japoneses aprovam o novo gabinete anunciado ontem.

O novo secretário-chefe de gabinete, Yasuhisa Shiozaki, disse hoje que Abe quer se encontrar com os líderes chinês e sul-coreano para tentar resolver questões importantes, inclusive disputas territoriais e o mal-estar criado em razão de visitas oficiais a um templo de guerra em Tokyo.

“Nós dois entendemos que devemos trabalhar para manter importantes conversas o quanto antes”, disse Shiozaki. “É necessário que os dois lados façam um esforço”. No entanto, Shiozaki disse que ainda não há planos para as negociações.

Desde o ano passado, o presidente chinês se recusava a falar com o antecessor de Abe, Junichiro Koizumi, pois o ex-premier visitou diversas vezes o templo de guerra Yakusuni, que homenageia mortos em guerra, entre outros japoneses condeandos por crimes de guerra.

A China e a Coréia do Sul – ambas colonizadas de forma brutal pelo Japão no último século – dizem que o templo glorifica o passado militarista do Japão.