Mais de 500 professores considerados incompetentes

Mais de 500 professores em escolas públicas do Japão foram considerados incompetentes no ano fiscal de 2005, o que representa uma queda de cerca de 10% em relação ao ano anterior, mas mesmo assim o segundo maior número desde que a pesquisa começou a ser realizada, em 2000.

Os professores em questão, um total de 506, foram considerados incapazes de se comunicar com os estudantes ou por baixo nível de conhecimento segundo um padrão designado por um conselho de educação do Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia.

Em 2004, 566 professores foram considerados incompetentes, um recorde na pesquisa do ministério, que espera que o índice continue caindo. Dos 506, 103 se demitiram voluntariamente, seis foram demitidos e dois foram transferidos.

Dentre as províncias e grandes cidades, a cidade de Yokoyama tinha o maior número de professores considerados incompetentes, totalizando 23, seguido das províncias de Chiba e Mie, com 22. Apenas a cidade de Shizuoka não apresentou professores incompetentes.