Suprema Corte japonesa rejeita último recurso de Shoko Asahara

A Suprema Corte do Japão rejeitou nesta sexta-feira o último recurso de Shoko Asahara, guru fundador da seita apocalíptica Verdade Suprema, abrindo caminho para sua execução por um ataque com gás sarin contra o metrô de Tokyo em 1995 e por uma série de assassinatos.

A Suprema Corte sustentou a decisão de uma instância inferior da justiça japonesa segundo a qual Asahara está apto a assumir a responsabilidade por seus atos. A defesa do guru alegava que ele era mentalmente instável e não era capaz de compreender os motivos e os crimes pelos quais era processado.

Asahara, um guru apocalíptico praticamente cego, foi condenado e sentenciado à morte de em 2004 por ter sido considerado o mentor intelectual de ataques que provocaram a morte de 27 pessoas.

O mais grave atentado de autoria intelectual atribuída a Asahara ocorreu em 1995, quando a liberação de gás sarin no sistema ferroviário da capital japonesa provocou a morte de 12 pessoas.

Uma fonte no Ministério da Justiça comentou que a Suprema Corte é a última instância e que a decisão abriria caminho para a execução de Asahara.

Entretanto, prosseguiu a fonte, a defesa ainda conseguiria retardar a execução com um recurso emergencial ou com a apresentação de um pedido para um novo julgamento.

Caso a defesa de Asahara não recorra, sua execução poderia ocorrer dentro de seis meses, dependendo apenas da aprovação do ministro da Justiça, prosseguiu a fonte.

Vítimas, seus familiares e simpatizantes concordaram com a decisão. “É natural que ele seja sentenciado à morte”, comentou Shuichi Kojima, que trabalhava na mesma empresa de advocacia de uma das vítimas da seita Verdade Suprema.

Representantes da seita não foram encontrados pela Associated Press para comentar a decisão da justiça japonesa.