Abe lança oficialmente candidatura à sucessão de Koizumi

O secretário-chefe do gabinete de governo do Japão, Shinzo Abe, anunciou formalmente sua candidatura à presidência do Partido Liberal Democrático (PLD). Considerado favorito a tornar-se líder do partido, ele deverá ser eleito para o posto em 20 de setembro, posicionando-se para tornar-se o próximo primeiro-ministro do Japão.

Aos 51 anos, Abe deverá tornar-se o mais jovem primeiro-ministro japonês desde a II Guerra Mundial. Ele é filho de Shintaro Abe, que foi ministro das Relações Exteriores no começo dos anos 1980, e neto de Nobusuke Kishi, que foi preso como criminoso de guerra ao fim da II Guerra Mundial, mas foi reabilitado mais tarde e tornou-se primeiro-ministro.

Ao anunciar sua candidatura, hoje em Hiroshima, Abe disse que “o Japão vai seguir uma política externa que fará demandas firmes com base nos interesses nacionais. O tratado de segurança com os EUA forma o centro das políticas externa e de segurança do Japão. Nós precisamos trabalhar para fortalecer essa posição”. Ele defendeu uma reforma na Constituição pacifista do Japão, que permita que o país tenha Forças Armadas (em oposição às forças de autodefesa permitidas atualmente).

Os outros postulantes já declarados ao comando do PLD são o ministro das Relações Exteriores, Taro Aso (herdeiro de um grupo industrial que explorou prisioneiros de guerra como trabalhadores escravos durante a II Guerra), e o ministro das Finanças, Sadakazu Tanigaki, que tem defendido melhores relações com os vizinhos Coréia do Sul e China. Os analistas políticos, porém, acreditam que nenhum deles tem chance real de ser eleito.