Corte de Hiroshima ordena governo a reconhecer status de vítimas

A Corte Distrital de Hiroshima decidiu que o governo do Japão errou ao negar a 41 sobreviventes da bomba atômica de Hiroshima o status de vítimas de doenças da radiação, mas rejeitou o pedido dos queixosos por indenizações. A decisão, emitida dias antes do 61º aniversário do bombardeio de 6 de agosto de 1945, não dá aos pleiteantes o direito automático aos benefícios das vítimas de doenças da radiação.

Eles haviam pedido 26 mil dólares cada em compensações por terem sido excluídos da lista de vítimas e dos benefícios concedidos pelo governo, incluindo verba de 1.195 dólares mensal para tratamento médico.

Até março deste ano, o governo japonês reconhecia a existência de 260 mil sobreviventes dos dois ataques atômicos contra o país, de acordo com um representante do Ministério da Saúde. No entanto, apenas 2.280 pessoas são consideradas, oficialmente, vítimas de doenças da radiação.