A batalha de 80 mil volts no submundo japonês

Electric Dragon 80.000V (2000) mostra a história de “Dragon Eye” Morrison, que quando criança sofre uma forte descarga elétrica ao subir em uma torre de alta tensão. Isso lhe proveu poderes elétricos. Toda a sua carga de raiva é descontada em solos de guitarra. Ele ronda a cidade em busca de seu lagarto perdido enquanto luta com seu rival, Thunderbolt Budd, que possui os mesmos poderes que Morrison. Uma batalha final de relâmpagos é travada entre os dois.

Essa narrativa um tanto quanto peculiar, dá talvez ao filme o título de o mais sui generis da mostra. Em uma estética anarco-punk preto e branca, nota-se influência da arte dos mangas tanto na forma de trabalhar a narração como também em sua apresentação.

O design gráfico, bastante tradicional no Japão em tempos antigos assim como na contemporaneidade, também cede alguns de seus conceitos à película. Uma trilha sonora ruidosa, graças à guitarra de Morrison, costura bem o filme.

A intenção do diretor Sogo Ishii é chocar o público. Para isso, chamou dois grandes ídolos do cinema japonês, Tadanobu Asano e Masatoshi Nagase, em um filme em que quase não há diálogos, mas sim cenas que dizem por si só. É um filme curto, que vale a pena pela sua ousadia e beleza, além da sua representação bastante estilizada do submundo urbano, principalmente de Tokyo.

Texto: Luiz Fukushiro

Leia também:
Japão do futuro nos dias de hoje
A falta de esperança onde só se fala em futuro
De desprotegidas a donas de si mesmas