Koizumi promete retirar soldados do Iraque

Apenas alguns dias depois de assegurar que o Japão não sairia do Iraque antes do fim de seu mandato, em setembro, o primeiro-ministro Junichiro Koizumi anunciou nesta terça-feira que os militares nipônicos serão retirados do país árabe.

No entanto, o premiê disse que o Japão continuará prestando ajuda logística aos Estados Unidos e a seus aliados no Iraque. Koizumi assegurou que a decisão de retirar as tropas japonesas do país árabe foi tomada em consenso com EUA, Grã-Bretanha, Austrália e os demais componentes da coalizão militar estrangeira estabelecida em solo iraquiano.

O Japão possui cerca de 600 militares em Samawa, capital da província iraquiana de Muthana, no sul do Iraque. Proibidos pela Constituição de participar de ações bélicas, eles se dedicam a trabalhos de reconstrução. A missão humanitária do Japão no Iraque representou o maior deslocamento militar feito pelo exército do país e o primeiro para uma região de combate desde a Segunda Guerra Mundial.

De acordo com as autoridades japonesas, a retirada ocorrerá assim que as condições de segurança permitirem.