Associação de direitos humanos é acusada de fraude

O jornal Yomiuri noticiou que o Centro Asuka para os Direitos Humanos recebeu 8,7 milhões de ienes para cuidar de uma pré-escola em Osaka, mas teria deixado de fazê-lo. A entidade foi contratada pela prefeitura de Osaka para fazer a segurança do local durante a noite e aos feriados, mas, segundo o diário, não enviou nenhum membro para fazer a vigilância nestas ocasiões.

O presidente da Fundação Asuka-kai, Kunihiko Konishi, está preso sob acusação de fraude fiscal por casos anteriores.