Anistia Internacional condena pena de morte no Japão

A Anistia Internacional criticou hoje o uso contínuo da pena de morte no Japão e a forma como ela é executada no país.

Em seu relatório anual , o grupo de direitos humanos relembrou a execução secreta do ex-policial Susumu Kitagawa em setembro último por enforcamento. Ele recebeu a sentença de morte em 1994, pelo assasinato de duas mulheres.

A Anistia disse que o Japão “agrava” o sofrimento dos condenados anunciar repentinamento as execuções, por não lhes permitir se despedirem de familiares e amigos.

A entidade recebeu bem o novo código de administração penitenciária japonesa, que prevê a fiscalização dos presídios por um grupo autônomo, mas ressaltou que a lei não se aplica a detenções pré-julgamento nem a prisioneiros no corredor da morte.