Aikidô – União, energia e caminho

Assim é o aikidô, uma técnica de defesa pessoal na qual não importa quem é mais forte, e sim quem consegue a harmonia entre espírito, mente e corpo.

0202_aikido_01.jpgMeados dos anos 50, Tokyo. No centro do dojo, local onde são praticadas as artes marciais, um senhor de aparência frágil recebe o ataque simultâneo de três jovens lutadores. Com uma postura serena e tranqüila, ele realiza uma série de movimentos circulares que simplesmente invertem o sentido do ataque, redirecionando toda a força dos agressores contra eles mesmos. Final de treino: enquanto os jovens estão exaustos no chão, o senhor fica em pé, calmo, mas atento, observando, sentindo e entendendo tudo o que ocorre ao seu redor. Os jovens reverenciam o sensei: ele é Morihei Ueshiba, fundador do aikidô moderno, uma arte marcial na qual não existe competição entre os praticantes.

0202_aikido_02.jpgComo todo estilo de defesa pessoal surgido no Japão, o aikidô tem origem na época feudal, quando os samurais eram os senhores da guerra e as artes marciais, um dos meios pelos quais exerciam o poder. Quando, em 1868, a restauração Meiji fez desaparecer completamente a figura do samurai, o papel desas lutas já era outro: deslocadas para a esfera civil, passam a enfatizar fatores como a disciplina, moral e, principalmente, o equilíbrio entre corpo e mente, o que acaba por torná-las verdadeiras filosofias de vida, e não instrumentos de guerra. Por esse motivo, as técnicas marciais passaram a ser chamadas de “budôs”, que, em português, significam “caminho”.

0202_aikido_03.jpgO aikidô é o resultado direto dessa mudança do rumo militar para o civil. O sensei Ueshiba era um lutador imbatível e praticava várias técnicas diferentes quando sua vida foi transformada totalmente ao descobrir a espiritualidade da religião. Dessa união íntima entre elevação espiritual e habilidade motora, surgiu essa nova arte marcial. Na palavra aikidô, o ideograma “ai” significa união, o “ki”, energia e o “dô”, o caminho para se alcançar a harmonia do verdadeiro budô. Essa harmonia, porém, não é criada: ela já existe, pois o ki – o fluxo de energia vital do universo – está presente em toda a natureza. Cabe ao aikidoca sentir sua presença, compreendê-la e integrá-la às suas técnicas marciais.

0202_aikido_bull_01.jpg
O professor Wagner Bull aplica a seqüência de um shomen uchi ikkyo omote: após se desviar do ataque, ele segura o braço esquerdo do atacante pelas articulações, leva-o ao chão e o imobiliza pressionando, com os joelhos e as mãos, a axila e o pulso do oponente

Assim, de nada adiantaria possuir músculos bem trabalhados se por eles o ki não flui. São coisas absolutamente inerentes. “Um praticante só evolui suas técnicas a partir do momento em que desenvolve essa sensibilidade, e vice-versa”, explica o presidente da Confederação Brasileira de Aikidô, professor Wagner Bull, faixa-preta 6º dan. A harmonia do aikidô pode ser notada nos movimentos de corpo dos praticantes, sempre circulares, seguindo uma espiral, interpretado como o sentido pelo qual tudo se desenvolve na natureza. Com a prática, esse padrão vai se integrando também na mente, no espírito e em todas as ações do aikidoca. “A esfera é a forma mais perfeita e harmônica que existe. Note que uma bola não possui cantos vivos que possam machucar ou ferir alguém”, explica o sensei Makoto Nishida, faixa-preta 6º dan e diretor-técnico da Federação Paulista de Aikidô.

0202_aikido_bull_02.jpgPode parecer um pouco paradoxal, por se tratar de artes marciais, falar em não machucar nem ferir. O aikidô, porém, é uma modalidade de luta na qual só há um tipo de ação: a defesa. Mesmo quando os treinamentos envolvem armas como o bastão – jo – e a espada de madeira – boken – , a técnica visa o desarme do oponente, e não atacá-lo com esses objetos. Para Nishida, a prática faz com que as pessoas aprendam a controlar o sentimento de medo, inevitável em uma situação de ameaça – seja ela física ou psicológica. O temor descontrolado traz à tona as características mais perigosas do ser humano e pode levá-lo a cometer atos falhos, e esse estilo de luta trabalha com o corpo e a mente exatamente para evitar que isso aconteça.

0202_aikido_bull_03.jpgMas voltemos à idéia dos círculos. Quando um praticante atinge certo nível de habilidade, é como se seu corpo também formasse uma grande esfera. Não se pode desequilibrar uma bola: se você a empurra, ela não vai cair. Se tentar agarrá-la, ela escorregará, e, quanto mais força você fizer, mais rápido ela escorrega de suas mãos.A essência do aikidô como luta é muito parecida com isso: quando o agressor ataca e direciona sua força, encontra uma esfera imune a seus golpes. A técnica consiste em desenvolver a sensibilidade para discernir a intenção do oponente, identificar quais são seus pontos de articulação vulneráveis e então redirecionar essa força de ataque contra o próprio adversário, que invariavelmente irá perder o equilíbrio e cair ao chão.

Páginas: 1 2

Você pode se interessar também por...